CCDR Algarve insiste na alta velocidade ferroviária

alta velocidade transfronteiriça

O Presidente da Comissão de Coordenação e Desenvolvimento Regional (CCDR) do Algarve, José Apolinário, defendeu que deve ser priorizado o Corredor Ferroviário Atlântico, através de uma linha de alta velocidade, que una as cidades de Sevilha, Huelva e Faro, estendendo o corredor ferroviário do Mediterrânio entre a Andaluzia e o Algarve, pós 2030.

Esta tomada de posição ocorreu no quadro da XIV Comissão Luso-Espanhola de Cooperação Transfronteiriça, realizada em Vila Nova de Gaia, na qual a CCDR Algarve esteve representada pelo presidente e pela vice-Presidente, Elsa Cordeiro.

Esta posição acompanha igualmente a defesa da concretização de um investimento no troço de ferrovia entre Tunes e Torre Vã, como vem sendo defendido em diversas ocasiões na Região, designadamente no quadro do debate sobre o futuro Plano Ferroviário Nacional pós 2030.

José Apolinário, presidente da CCDR Algarve, afirma ser «urgente avançar com o.s projetos de modernização da linha ferroviária entre Tunes e Terra Vã, uma estimativa de investimento de 253 milhões de euros”.

Esta obra permitiria reduzir em 30 minutos a viagem de comboio Algarve-Lisboa, uniformizando a velocidade do comboio ao longo e todo o trajeto. Atualmente nos 150 quilómetros entre Torre Vã e Tunes a velocidade média do comboio raramente ultrapassa os 100 quilómetros/hora. Com este investimento, a viagem intercidades ou comboio Alfa entre Lisboa e Faro passaria a 2:30, sendo assim competitivo com o modo autocarro, afirma o organismo regional de coordenação.

Nos últimos 30 anos, o investimento na Ferrovia mais significativo na ligação a Sul foi a modernização da linha ferroviária entre Pinhal Novo e Torre Vã, um investimento de 225 milhões de euros realizado antes do Euro 2004 a que, só agora em 2022 e 2023, se somarão 80 milhões de euros de conclusão da eletrificação e modernização da Linha Ferroviária do Algarve, concretizados com o apoio dos Fundos Europeus.