Profissionais em treino
Algarve foz-destaques

Profissionais de saúde treinam com manequins

Tal como pilotos da aviação, os profissionais de saúde do Algarve vão poder treinar procedimentos vezes sem conta sem que um erro possa ser fatal.

O Centro de Simulação Clínica da Faculdade de Medicina e Ciências Biomédicas da Universidade do Algarve prepara-se para, a partir de setembro, abrir portas à formação contínua de equipas hospitalares com manequins eletrónicos capazes de ter sintomas e de reagir a tratamentos, anunciou a CCDRA.

Amplas paredes laterais de vidro espelhado e câmaras de vídeo de alta definição, instaladas do teto, dão a entender que os cerca de 30 metros quadrados pintados a branco serão, mais do que uma sala de emergência hospitalar, um teatro de operações escrutinado ao detalhe por muitos olhos e ouvidos.

Do outro lado deste vidro estarão observadores, enquanto, por detrás deste outro, um instrutor vai comandando o episódio clínico e introduzindo as variáveis a que a equipa na sala vai ter de ser capaz de dar resposta”, é o que explica Guy Vieira, coordenador do Centro de Simulação Clínica, a ganhar forma na Faculdade de Medicina e Ciências Biomédicas da Universidade do Algarve.

Quando o novo ano letivo arrancar, em setembro, já o espaço estará equipado tal e qual uma unidade hospitalar, mas com uma diferença primordial que fará dele o foco das atenções: na maca, em vez de um paciente de carne e osso, estará um manequim dotado de múltiplos sensores de alta-fidelidade capazes de recriar as funções básicas do corpo humano, anuncia ainda a CCDR – Algarve e «Será nele que se vai refletir a sintomatologia gerada por programas informáticos desenhados para recriar os casos clínicos que vão pôr à prova os profissionais de saúde da região».

Vamos supor que estamos a simular um edema agudo do pulmão e que o instrutor decide gerar uma baixa significativa da oxigenação, que é um sintoma comum numa situação destas”, exemplifica o oncologista docente da faculdade. “Essa variação há de refletir-se no oxímetro dos monitores, a equipa há de aperceber-se e o chefe de equipa terá de adotar medidas em relação a isso, provavelmente ordenar administração de oxigénio. Estes simuladores são já de tal forma evoluídos que conseguem identificar o oxigénio administrado e em que quantidade e reagir de forma fisiológica, como o corpo humano reagiria”.

Fonte: CCDR – Algarve – Leia o artigo completo

FOZ - Guadiana Digital

Adicionar comentário

Clique para comentar

Obrigado pelo comentário.