rio Guadiana
foz-destaques Guadiana

UE no apoio à navegabilidade do rio Guadiana

O desenvolvido com o apoio dos fundos europeus, no âmbito do Interreg Espanha Portugal V-A, do projeto “0228_GUAD20_5_E Guadiana: Património Natural Navegável” para restabelecer a navegabilidade em segurança, entre Alcoutim e o Pomarão (Mértola), é formalmente concluído hoje, dia 7 de julho, numa cerimónia a decorrer em Huelva.

O desenvolvido com o apoio dos fundos europeus, no âmbito do Interreg Espanha Portugal V-A, do projeto “0228_GUAD20_5_E Guadiana: Património Natural Navegável” para restabelecer a navegabilidade em segurança, entre Alcoutim e o Pomarão (Mértola), é formalmente concluído hoje, dia 7 de julho, numa cerimónia a decorrer em Huelva.

A Região do Algarve encontra-se representada pelo presidente da Comissão de Coordenação e Desenvolvimento Regional (CCDR) do Algarve, José Apolinário, e pelo presidente da câmara de Alcoutim e vice-presidente da AMAL, Osvaldo Gonçalves, pelo presidente da câmara municipal de Castro Marim, Francisco Amaral, e o presidente da câmara municipal de Vila Real Santo António, Luis Romão.

A CCDA destaca que «a ocupação humana no vale do Guadiana foi durante milénios marcada pela navegabilidade do Guadiana entre a sua foz e Mértola» procurando com o GUAD20, devolver a navegabilidade ao rio, em segurança, e dotá-lo das infraestruturas para a sua «utilização sustentável na qual se inclui o desenvolvimento da atividade turística e recreativa em consonância com o desenvolvimento sustentável promovido pelo Programa Operacional de Cooperação Transfronteiriça España – Portugal (POCTEP)».

Esta intervenção no rio Guadiana, afirma ainda aquele organismo regional, «permitiu aumentar o número de embarcações de recreio e de turismo que usam esta via navegável, melhorar os serviços prestados e beneficiando as zonas ribeirinhas dos concelhos de Vila Real de Santo António, Castro Marim, Alcoutim e Mértola».

A Agência Pública de Portos da Andaluzia tem sido o «chefe de fila» deste projeto, que se iniciou em outubro de 2015, tendo como parceiros a Agência Pública de Portos da Andaluzia, o Instituto Hidrográfico (IH) e a Direção-Geral de Recursos Naturais, Segurança e Serviços Marítimos (DGRM), apresentando um custo total elegível de 2,2 Milhões de Euros, o qual foi cofinanciado em 1,65 Milhões de Euros; através do Fundo Europeu de Desenvolvimento Regional (FEDER)

A CCDR afirma que os resultados deste projeto são «a melhoria do equipamento de transporte marítimo de passageiros entre Ayamonte e Vila Real de Santo António, através das obras adaptação/melhoramento no molhe de Ayamonte para receber mais passageiros e em melhores condições, e das condições de navegabilidade junto ao “porto” de Sanlúcar de Guadiana e do número de postes de amarração e modernização do cais, bem como o levantamento hidrográfico do rio que permitiu atualizar a cartografia e melhorar a navegabilidade ao longo do rio».

Paralelamente, estão redefinidos o canal de navegação entre Alcoutim e o Pomarão e a instalação das boias de sinalização e um canal navegável com 30 metros de largura e uma cota de fundo de -2.00 ZH, que permite a passagem de barcos até 70 metros de comprimento, com um calado de 1,80 metros.

Aquela comissão regional afirma o propósito de criar condições para, no próximo Quadro Comunitário de Apoio, levar a navegabilidade até Mértola e melhorar os apoios náuticos ao longo das margens do rio, salvaguardando a biodiversidade, assegurando a presença dos valores naturais que caracterizam esta paisagem e o uso sustentável do Rio Guadiana.