Capa de Fronteiriços
Cultura Destaque foz-destaques

Vicente Campinas 110 anos do nascimento

António Vicente Campinas, patrono da Biblioteca Municipal de Vila Real de Santo António, nasceu a 28 de Dezembro de 1910 em Vila Nova de Cacela, concelho de Vila Real de Santo António mas, devido a aspetos burocráticos da época, apenas foi registado em 8 de Janeiro de 1911.

António Vicente Campinas, patrono da Biblioteca Municipal de Vila Real de Santo António, nasceu a 28 de Dezembro de 1910 em Vila Nova de Cacela, concelho de Vila Real de Santo António mas, devido a aspetos burocráticos da época, apenas foi registado em 8 de Janeiro de 1911.

Com pouco mais de um ano a família, António Francisco Campinas e Maria Rosa fixou-se em Vila Real de Santo António. Teve o primeiro emprego na Tipografia Socorro, trabalhou como guarda-livros das firmas José Joaquim Capa, Raul Folque Flores e José António Rita. No Cine Parque de S. José foi violinista em bailes populares. A escrita e a Literatura foram sempre a sua grande paixão. Foi livreiro na Rua Teófilo Braga e em Faro. Em 1935, fundou e dirigiu o periódico Foz do Guadiana, em Vila Real de Santo António, colaborando de forma regular no importante semanário de crítica literária e artística “O Diabo”, desde a sua criação em 1934, até ao seu encerramento pela polícia fascista em 1940. Aos 10 anos, foi colaborador do Pim-Pam-Pum, suplemento juvenil do jornal O Século, já extinto.

Como jovem escuteiro, organiza a angariação de mais de mil livros e funda a primeira biblioteca pública de Vila Real de Santo António, instalada na sede do Grupo de Escoteiros e, com o amigo António Bandeira Cabrita, nascido seis meses antes, aos 18 anos unificam os diversos sindicatos e fundam o Sindicato dos Trabalhadores da Terra e do Mar. Aos 19 anos transfere da Figueira da Foz, em conjunto com outros jovens vilarealenses, o quinzenário Jornal de Cinema do qual foi diretor. Em 21 de Janeiro de 1935, funda edita e dirige o jornal FOZ DO GUADIANA.

Vicente Campinas primeiro e Nataniel Campinas, depois, autorizaram que este título pudesse ter alguma continuidade e FOZ -Guadiana Digital, sendo um projeto digital diferente, honra a memória deste vilarealense.

Vicente Campinas acompanhou escritores com Alves Redol, Manuel da Fonseca e Fernando Namoras. Sofreu perseguições políticas, foi preso e esteve exilado em França, como trabalhando como terrasier , operário na cadeia de montagem da Panhard , valet de chambre, voltando mais tarde a guarda-livros. Se fosse hoje, Campinas entraria no rol daqueles que editam os seus livros e andam com eles debaixo do braço a fazer a distribuição, pois muitos saíram em edições do próprio autor, alguns sob pseudónimo. Quando exilado, começou por trabalhar como operário da construção civil e contabilista, até contactar o editor Arsénio Mota que o ajudou na carreira literária.

Figura cimeira da corrente literária do neo-realismo português, foi autor de vastíssima obra, abrangendo vários géneros literários, da poesia ao romance, mas também novela e crónica. Alguns dos seus livros foram traduzidos em várias línguas. Autodidata de grande talento, tornou-se um escritor muito apreciado, vindo a ser citado em estudos universitários.

A nota Biográfica de Vicente Campinas encontra-se amplamente desenvolvida pelo autor da antologia «Guardador de Estrelas», Gil Furtado, editado em 1994, pela câmara municipal de Vila Real de Santo António, presidida por António José Martins. A obra contou com o prefácio de Urbano Tavares Rodrigues.

A obra

Entre os seus trabalhos, contam-se:

  • Aguarelas (poesia), 1938
  • Recantos farenses (Livraria Campina), 1956
  • Lisboa, Outono (Livraria Ibérica), 1959
  • Preia-mar, poesias (Ed.do Autor), 1969
  • Reencontro, 1971
  • Escrita e combate – textos de escritos comunistas, 1976
  • Natais de exílio, 1978
  • Homens e cães (contos), 1979
  • Três dias de inferno, (Jornal do Algarve), 1980
  • Vigilância, camaradas (Jornal do Algarve), 1981
  • Gritos da fortaleza, (Jornal do Algarve), 1981
  • Putos ao deus-dará, 1982
  • Rio Esperança, Guadiana, meu amigo (Jornal do Algarve), 1983
  • Fronteira azul carregada de futuro (Ed.do Autor), 1984
  • O dia da árvore marcada (Nova Realidade), 1985
  • Fronteiriços (Nova Realidade), 1986
  • Ciladas de amor e raiva (Ed. do Autor), 1987
  • Segredo do meio do mar (Ed. do Autor), 1988
  • Mais putos ao deus-dará (Orion), 1988
  • O azul do sul é cor de sonho, narrativas, 1990
  • A dívida, os corvos e outros contos (em colaboração com Manuel da Conceição) 1992
  • Guardador de Estrelas, antologia, 1994

Para além destes livros da sua lavra, participou em várias antologias de poesia, conto e prosa.

Homenagens

Em 1994, quando já se encontrava imobilizado e muito doente, a autarquia vila-realense prestou-lhe uma digna homenagem pública e o seu nome foi dado a uma artéria da cidade. Fez parte dessa homenagem a edição de uma antologia das suas obras, com o título «Guardador de Estrelas», com prefácio de Urbano Tavares Rodrigues

Em 2011, voltou a ser homenageado em Vila Real de Santo António, presidida por Luís Gomes, por ocasião do centenário do seu nascimento. A vida e obra do escritor foram evocadas numa cerimónia promovida pela Câmara Municipal, que decorreu na Biblioteca com o seu nome. As comemorações do nascimento de António Vicente Campinas começaram em 2010 com a inauguração de duas exposições na Biblioteca Municipal, mas prolongaram-se por todo o ano de 2011.

A Biblioteca Municipal de Vila Real de Santo António teve patente duas exposições integradas nas comemorações do centenário do nascimento do escritor: uma mostra filatélica organizada pela Secção de Colecionismo dos Bombeiros Voluntários, bem como a exposição “Vicente Campinas – O Homem e o Escritor – 100 Anos”, organizada pela própria biblioteca e composta por documentos do escritor, notas manuscritas e diversos painéis explicativos. Foi também lançado um selo e um postal comemorativos do centenário do nascimento do escritor. E, por ocasião do 109ª aniversário do nascimento de Manuel Cabanas, a Liga dos Amigos da Galeria Manuel Cabanas levou a cabo um programa de comemorações que incluía Vicente Campinas, conterrâneo e amigo daquele outro ilustre vila-realense: “Manuel Cabanas e Vicente Campinas – Uma Relação de Amizade”. Em Abril, na Biblioteca Municipal, realizou-se uma palestra com Teresa Rita Lopes e Rui Moura (que musicou poemas de Vicente Campinas); e, por fim, em Setembro, teve lugar, também na biblioteca, uma tertúlia com familiares, amigos e conhecidos de Vicente Campinas.

O historiador António Rosa Mendes 1954 – 2013, patrono do Arquivo Histórico Municipal de Vila Real de Santo António tinha uma grande admiração pela obra de António Vicente Campinas e pela atenção ao pormenor de refletir as gentes que viviam e labutavam no ambiente de trabalho marítimo das fábricas e das pescas.

Rosa Mendes ainda participou na homenagem prestada a Vicente Campinas, faz hoje precisamente dez anos, no auditório da Biblioteca Municipal que porta o seu nome. Tiveram um dos pontos altos no dia 8 de Janeiro de 2011, quando dezenas de pessoas encheram a sala de sessões da Biblioteca Municipal, para ouvirem o vereador José Carlos Barros e o historiador António Rosa Mendes falar sobre a vida e a obra do escritor vila-realense.

%d bloggers like this:
x Logo: Shield
Este Site é Protegido Por
Shield